» » Santa Teresa (Espírito Santo – 1875)

Santa Teresa (Espírito Santo – 1875)

Patrimônio dos Polacos do Fundo do Baú! de Leley Torezani.

A história de Santa Teresa começa em 1875, quando 60 famílias vênetas e trentinas, a bordo do navio Rivadávia, atravessaram o Atlântico e desembarcaram no Rio de Janeiro e vieram para Vitória. Após alguns dias, subiram em canoas pelo rio Santa Maria e escolheram as montanhas para implantar a saga da colonização.

 

Fotos Antigas de Patrimônio de Santo Antônio – Santo Antônio do Canaã – Santa Teresa – ES.

 

praca-em-santa-teresa-es-20

Praça Augusto Ruschi – Santa Teresa, 1946.

Localizada na parte central da cidade, foi construída no ano de 1936 e segue o traçado dos jardins europeus.

É conhecida pelos teresenses como “jardim”. Possui coreto, chafariz, busto em homenagem a Augusto Ruschi

e monumento em homenagem aos ex-combatentes teresenses da 2ª Guerra Mundial.

praca-em-santa-teresa-es-19

escola-agrotecnica-federal-de-santa-teresa-no-distrito-de-sao-joao-de-petropolis-atual-campus-santa-teresa-do-ifesEscola Agrotécnica Federal de Santa Teresa, no distrito de São João de Petrópolis, atual Campus Santa Teresa do IFES.

Criada para ser Tiro de Guerra, com objetivo de preparar recrutas para serem enviados para a guerra na Europa.

A guerra acabou, foi transformada em Escola de ensino agrícola, mais tarde em escola de ensino médio. Seu primeiro diretor, o ex-prefeito de Santa Teresa, Enrico Ildebrando Ruschi em 1942.

Sua origem data de 1940, quando foi criado pelo Decreto-Lei nº 12.147, de 06 de setembro, do Interventor Federal no Estado do Espírito Santo, João Punaro Bley.

Foi inaugurada a 8 de setembro de 1941, sob a denominação de Escola Prática de Agricultura (EPA), com a finalidade de ministrar dois cursos práticos e intensivos, de um ano de duração, a trabalhadores rurais – Administrador de Fazenda e Prático Rural.

Em 1948, a 10 de março, por força do Convênio firmado entre a União e o Estado, passou para a supervisão da Superintendência do Ensino Agrícola e Veterinário – SEAV – do Ministério da Agricultura, para ministrar os cursos previstos na Lei Orgânica do Ensino Agrícola – Decreto-Lei nº 9.613, de 20 de agosto de 1946, com a denominação de Escola Agrotécnica do Espírito Santo, nome que perdurou até 1956.

Em 1956, face à renovação do Convênio em apreço, passou a chamar-se de Escola Agrotécnica de Santa Teresa.

O nome Colégio Agrícola de Santa Teresa, foi-lhe dado pelo Decreto nº 53.588, de 13 de fevereiro de 1964, publicado no D.O.U. do citado mês.

O nome atual, Escola Agrotécnica de Santa Teresa – ES, foi estabelecido pelo Decreto nº 83.935, de 4 de setembro de 1979, publicado no D.O.U., de 05/09/79, transformada em Autarquia através da Lei Nº. 8.731, de 16/11/1993, publicado no D.O.U., de 17/11/1993, vinculada a Secretaria de Educação Média e Tecnológica-SEMTEC.

praca-em-santa-teresa-es-18

 

praca-em-santa-teresa-es-17

 

praca-em-santa-teresa-es-16

 

praca-em-santa-teresa-es-15

 

praca-em-santa-teresa-es-14

 

 

 

 

 

praca-em-santa-teresa-es-13

 

praca-em-santa-teresa-es-12

 

praca-em-santa-teresa-es-11

Santa Teresa (Espírito Santo – 1875)

praca-em-santa-teresa-es-10

 

praca-em-santa-teresa-es-9

 

praca-em-santa-teresa-es-8

 

praca-em-santa-teresa-es-7

 

 

 

 

 

 

 

 

praca-em-santa-teresa-es-6

 

praca-em-santa-teresa-es-5

 

praca-em-santa-teresa-es-4

 

praca-em-santa-teresa-es-3

 

praca-em-santa-teresa-es-2

 

praca-em-santa-teresa-es-1

 

praca-em-santa-teresa-es-6

Em 1877, Santa Teresa recebeu nova corrente migratória de imigrantes que vinham da Suíça e da Alemanha que rumaram para a Região de Vinte Cinco de Julho, hoje distrito do município. No mesmo ano chegaram os poloneses que se estabeleceram em torno do atual distrito de Santo Antônio do Canaã.

A instalação oficial do município só se deu em 22 de fevereiro de 1891, levada a efeito solenemente pelo presidente do “Governo Municipal de Santa Leopoldina”.

O primeiro nome de Santa Teresa foi Núcleo de Timbuí, então localizado na estrada de Santa Teresa, na colônia de Santa Leopoldina. (Leopoldina era filha de Dom Pedro II, irmã mais nova da Princesa Isabel).

O nome atual tem duas versões: A primeira, defendida por historiadores, indica que foi homenagem a Teresa Cristina de Bourbon, imperatriz do Brasil, casada com o Imperador Dom Pedro II. A outra afirma que uma devota – Maria Madalena A. Armini, que reunia os imigrantes para rezarem em frente ao quadro de Santa Teresa, à sombra de um pau-peba.

 

 

 

A região escolhida pelos imigrantes é repleta de belezas naturais.

Como chegar: Mapa

Imagens cedidas por Fabio Pirajá

Grupo no Facebook Memória

Quer participar contribuindo com imagens envie

para nosso email capixabadagemabrasil@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 × dois =