» » O que fazer na Grande Vitória em dias de chuva?

O que fazer na Grande Vitória em dias de chuva?

Olá, Você é daquelas pessoas que não gostam de sair de casa nos dias chuvosos? ou porque não encontra um programa  ou local bacana? Saiba que seus problemas acabaram! Selecionamos algumas dicas legais.


Convento Nossa Senhora da Penha


O Convento da Penha é um dos santuários religiosos mais antigos do Brasil, localizado no município de Vila Velha, estado do Espírito Santo.

A faixa de Mata Atlântica existente no Santuário da Penha é o mais importante pulmão verde da cidade de Vila Velha e abriga uma variada flora e fauna em 50 hectares. Mas nem sempre foi assim. Na segunda metade do século XX, a mata do morro estava bastante devastada. Foi a partir de 1970 que começou a preocupação com o reflorestamento do morro, com o plantio de árvores nativas, um trabalho realizado pela Vale do Rio Doce, o governo estadual e o Convento. Milhares de mudas de árvores nativas foram plantadas, fazendo com que atualmente o verde da flora realce o branco das paredes do convento no alto do morro.

Rua Vasco Coutinho, s/n°
Prainha. – Vila Velha

Portão de Acesso: De segunda à sábado: das 5h15 às 16h45Domingo: das 4h15 às 16h45


Museu Vale em Vila Velha

Rua Antiga Estacao Pedro Nolasco, s/n | Argolas, Vila Velha, ES



Em seu espaço, o Museu Vale abriga ainda o Centro de Memória da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM), com cerca de 22.000 itens catalogados sobre a ferrovia por onde passa o único trem de passageiros diário do Brasil que percorre longas distâncias. Visitar o acervo (filmes, fotos e textos históricos sobre a linha férrea da Vale) é fazer uma verdadeira viagem no tempo.

Seu acervo de arte contemporânea (livros, catálogos, revistas e folders de artistas nacionais e internacionais) vem sendo organizado desde 2006, e está disponível para consulta de estudantes, pesquisadores acadêmicos e público interessado em geral.

Horários do Museu Janeiro
Segundas – fechado para o público
Terças a domingos – 10h às 18h

Fevereiro a dezembro
Segundas – fechado para o público
Terças a sextas – 8h às17h
Sábados e domingos – 10h às18h

O último acesso de visitantes ao edifício sede do Museu Vale se dará 15 minutos antes de seu fechamento.
Durante a semana às 16:45h e aos finais de semana às 17:45h.”

Entrada gratuita


Palácio Anchieta em Vitória

A restauração completa do Palácio Anchieta foi concluída em 2009, quando o Governo do Estado entregou à população mais do que um patrimônio, uma parte importante de sua história e de sua identidade. Uma das mais antigas sedes de Governo do País, o Palácio está aberto à visitação pública.

Curiosidades

Como o palácio era uma Igreja, durante as reformas, corpos (provavelmente de Fidalgos) foram encontrados nos terrenos.

Como é um prédio de origem Jesuítica, o Santo Anchieta, que dá nome ao prédio foi um de seus hóspedes, o prédio possui uma relíquia do Santo, um pedaço de sua Tíbia.

É a única construção jesuítica que no período colonial possuiu 2 torres sineiras e 1 relógio. Com seu quadrilátero imponente, foi por muitos anos a maior construção do Estado do Espírito Santo e um dos 4 edifícios no Brasil que possuem a técnica do Esgrafito, uma técnica mourisca do séc XVI.

O altar da igreja de São Thiago foi restaurado e atualmente o palácio está aberto à visitação de terça a domingo das 10 às 17 horas, uma viagem no tempo, há quatro séculos.

Atualmente possui obras de arte com valores inestimáveis, patrimônio do Estado do Espírito Santo.


Endereço:
Praça João Clímaco, s/n, Cidade Alta, Centro, Vitória, ES,

Dias de visitas
De segunda a sexta, das 9h às 17h
Nos sábados e domingos, de 9h às 16h
Gratuita


Paneleiras de Goiabeiras

Sobre

As Paneleiras de Goiabeiras, assim chamadas por ser a maioria das artesães mulheres, residem no bairro de Goiabeiras, em Vitória, capital do Estado do Espírito Santo.

Com competência confeccionam, em barro, panelas, potes, travessas, bules, caldeirões, frigideiras etc, de diversas formas e tamanhos. O processo de fabricação é praticamente o mesmo que os índios usavam quando aqui aportaram os portugueses na época do descobrimento.

Galpão das Paneleiras – Centro cultural

Endereço: R. das Paneleiras, 55 – Goiabeiras, Vitória – ES

Telefone:(27) 3327-0519 – Funciona todos os dias, de 8h às 19h.

A Casa de Pedra, na cidade de Serra

Buscando encontrar uma solução, em termos de espaço permanente para a exposição de seus trabalhos, Neusso começou, em 1990, a construir aquela que se tornou a “Casa de Pedra”, que é um misto de galeria de arte, templo de paz e contemplação a residência do artista, que ali tem sua oficina de trabalho. Tanto no projeto como na construção Neusso trabalhou sozinho, edificando pedra sobre pedra, a sua obra que levou aproximadamente, dois anos para ser concluída. Para isso ele usou rochas recolhidas dos arrecifes na praia, próxima e junto aos morros do Balneário de Jacaraípe, onde reside no município da Serra.

 A visitação de até duzentas pessoas por dia é não só representada por pessoas provenientes da Grande Vitória, mas também de vários estados e até mesmo de outros países, o que tornou a “Casa de Pedra” uma atração turística de Jacaraípe, balneário distante 30 minutos de Vitória, a capital do Espírito Santo.

Rua Donaldison da Rocha Barros, S/N – Jacaraípe, Serra – E-mail: casadepedraneusso@gmail.com

Contato: (27)3252-6029 / (27)99262-8663

Museu Solar Monjardim


Instalado em um belo casarão colonial que teve sua construção iniciada na década de 1780, o Museu Solar Monjardim revela a vida cotidiana no século XIX através de objetos e manifestações artísticas. Horário de funcionamento: De terça à sexta, das 9h às 12 e das 13h30 às 16h30. Sábados, domingos e feriados, das 13h às 17h. Fechado no Ano Novo, Carnaval e Natal.

Seu acervo, expressivo, composto de cerca de 4.000 peças, distribuídas em objetos bi e tridimensionais e documentos fotográficos e textuais, é o remanescente desses museus citados.
Informações Adicionais de Contato:
(27) 3223-6609 / (27) 3322-4807

Ilha das Caieiras em Vitória

Culinária típica, cenário encantador e uma história que ultrapassa gerações: Essa é a combinação de adjetivos que melhor define a Ilha das Caieiras, local onde se realiza o tradicional Festival da Torta Capixaba, que acontece entre os meses de março e abril

O nome Ilha das Caieiras tem suas origens em dois fatores característicos: um geográfico e outro histórico. Geograficamente, no início de sua ocupação, a área estava cercada por mangues que por ocasião das marés altas lhe conferia um aspecto insular.
Historicamente, a expressão “caieiras” significa fábrica de cal ou forno onde se calcina a pedra calcária para se fazer a cal. O palavra no plural sugere a disseminação de fornos dedicados a essa atividade na região,além de estar nas proximidades da Ilha da Cal. Todavia, não há notícias de jazidas de calcário em rocha na Ilha das Caieiras, que pudessem fornecer a matéria-prima para a fábrica de cal. O material nesse caso, vinha das ostras abundantes no lugar e em sua vizinhança. Produzida em grande quantidade, a cal era ensacada e levada em barcaças para a Estação Vitória-Minas, sendo exportada para várias regiões do Brasil.

Localizada em São Pedro, no coração da Capital do Espírito Santo, a região, além de ser um importante polo gastronômico, é um dos principais cartões postais da cidade. O motivo? Basta olhar algumas imagens para saber.

Agora queremos saber se você gostou das dicas. Deixe seu comentário no post!