Início » Últimas Notícias » O dia em que o céu ficou roxo no ES

O dia em que o céu ficou roxo no ES

postado em: Últimas Notícias 0

Fumaça dos incêndios Australianos no céu Capixaba…


Para quem se encantou com o céu capixaba roxo e laranja ontem no final da tarde e reparou no céu esbranquiçado hoje, se trata de fumaça vinda lá dos incêndios na Austrália… a fumaça já tinha causado esses efeitos no sul do Brasil e chegou aqui ontem com a passagem de uma frente fria pelo mar. A fumaça está na alta atmosfera e não é sentida pela população. O céu colorido pode se repetir hoje.

O ocorrido não representa risco à saúde da população, segundo a meteorologista Estael Sias, da MetSul.

Em 5 de janeiro, a fumaça viajava perto da Nova Zelândia. Segundo a Nasa, ela já passou pela América do Sul e chegou a tornar o céu turvo em algumas regiões Credits: NASA/Colin Seftor

Depois de passar por Argentina e Chile, percorrendo mais de 13 mil quilômetros, a fumaça dos incêndios nas florestas da Austrália chegou ao Espirito Santo na quarta-Feira 15.

Qual tem sido o impacto da fumaça mais perto do solo?

A Nasa percebeu que a fumaça mudou a cor dos céu em áreas da América do Sul e afetou dramaticamente a Nova Zelândia, onde tem provocado “problemas severos de qualidade do ar” e “neves escuras nos topos das montanhas”.

Cidades grandes da Austrália, como Sydney, Melbourne, Canberra e Adelaide, também vivenciaram níveis perigosos de qualidade do ar devido à fumaça dos incêndios.

Nesta terça (14), moradores de Melbourne enfrentaram um segundo dia consecutivo de níveis perigosos de poluição atmosférica, o que levantou preocupações relacionadas à saúde pública.

Mais de 100 focos de incêndio continuam a queimar no leste do país, embora temperaturas mais frescas e as chuvas tenham ajudado os esforços dos bombeiros.

The Himawari-8 satellite’s view on January 2, 2020. (RAMMB/CIRA/CSU; Business Insider)


De acordo com Patricio Urra, responsável pelo serviço meteorológico do Chile, a nuvem está localizada a cerca de 6 mil quilômetros de altura e não há na região nenhum fenômeno climático que possa fazer com que ela se aproxime da superfície.

Em um primeiro momento, “o efeito pôde ser visto no sol, em tons de vermelho, causado por uma nuvem de fumaça originada dos incêndios”, explicou o especialista.

Informaçoes: BBC Brasil